quarta-feira, 18 de março de 2015

Jó, fidelidade invejável

A fidelidade de Jó é invejável; quando andava nas ruas em tempos de "bons frutos" era aplaudido, reverenciado, todas as pessoas olhavam para ele com uma admiração singular, muitos queriam saber o segredo de tanto " sucesso", outros se aproximaram mais para aproveitar um pouquinho de tudo que ele tinha. Mas a inveja de um ser chamado satanás foi um pouco além, ele quis tirar e tenta colocar Deus em "duvida" perante seu servo; a autoridade para mexer em seus bens materiais foi dada, tudo que ele pode fazer ele fez. Agora eu medito nas mesmas pessoas que estavam nas ruas, já não o aplaudiam mais, reverenciar? jamais, e o único olhar que lhe davam eram desprezos, quando passavam perto dele zombavam, talvez alguns dizem " ontem era o cara e hoje nem o pó da terra lhe pertencem", o desprezo foi grande, a dor incalculável; mas o que me chamou atenção em Jó foi sua fidelidade na abonança e na crise, nunca negou o Senhor (Jo 1.20-21).
E eu e você, será que estamos prontos pra ser fiéis a Deus nas crises? Ou negaremos a Deus no primeiro vento que destruir nossos planos e sonhos. Jó a fidelidade era seu sobrenome. Qual será o nome que irá escrever nessa terra?


Evangelismo

Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna.

João 3:16



segunda-feira, 16 de março de 2015

Versiculo do Dia


 Quem dentre vós é sábio e entendido? Mostre pelo seu bom trato as suas obras em mansidão de sabedoria.

domingo, 15 de março de 2015

Pregação - Jovens Cristões

Se você está preparado pra ouvir a verdade do evangelho de um jovem clique e sinta-se tocado pelo o Espirito de Deus.




quinta-feira, 12 de março de 2015

quarta-feira, 11 de março de 2015

Uma corrida louca

Corremos como "aviões super sônicos" como se estivemos em uma corrida muito louca, não olhamos pro lado, não reparamos em quem está ao nosso lado, e muito menos naquelas pessoas que já não estão há tempos; como "loucos" corremos para ganharmos "o prêmio" que nem mesmo nós sabemos, não paramos para ajudar quem necessita por medo de atrasamos e perdemos o "recorde da vida". Mas de repente cansamos; ai como um corredor que se abaixa e coloca as mãos em seus joelhos e respira bem fundo para recuperamos o folego, nós fazemos isso em dias tristes, e começamos a pensar o por que de tanta correria e tanta ambição de ganhar algo que nem mesmo sabemos o que é; paramos, nos erguemos, fechamos os nossos olhos e começamos a lembrar que corremos tanto que nem vimos o tempo passar, na nossa corrida deixamos amigos, parentes, amores ou conhecidos para traz, em caminho sem volta chamado tempo. Nós agora começamos a andar, lamentamos por não ter ninguém ao nosso lado, lamentamos por pessoas que nunca mais vão voltar, pois no caminho do tempo elas alcançaram a morte, lamentamos por que os momentos bons da nossa infância não se pode mais ser alcançados, lamentamos por  que viramos velhos e não conseguimos ser felizes. Paramos, e sentamos no caminho, e o que nos basta é caminhar para aproveitar a paisagem restante dessa caminhada, sem saber quando será o fim. Que possamos aproveita cada segundo antes que ela se acabe.